NFC_e

Programação automática de Horário de Verão e Secretarias de Fazenda

A Secretaria de Fazenda do Estado de Goiás (SEFAZ/GO), a exemplo de outros órgãos de fazenda estaduais, apresentaram problemas decorrentes da atualização automática do sistema operacional Windows com o Horário Brasileiro de Verão. Ou seja, o relógio foi adiantado em 1 hora, mesmo diante da decisão do Governo Federal de cancelar a vigência do horário especial em 2019.

Os Governos Estaduais divulgaram a seguinte mensagem: “Solicitamos para aguardar o retorno do nosso serviço a qualquer momento será normalizado. Agradecemos a compreensão. Permanecemos ao seu dispor para maiores esclarecimentos”. No PDV Lumi pode aparecer a mensagem como esta: “Rejeição 703 – Data-Hora de Emissão posterior ao horário de recebimento”, o que impossibilita efetuar vendas na frente de loja.

A Lumi Software recomenda habilitar o modo contingência nos PDVs (vide artigo no ConfluenceHabilitar Contingência PDVLumi“). Quando o módulo contingência estiver em execução, é necessário acompanhar as transações no Guardião (NFC-eLumi) para que não gere acúmulo de transações pendentes de transmissão. Desabilitar o modo contingência quando o WebService do seu estado normalizar.

Caso haja alguma dúvida, é importante que seja aberto um chamado no website para que a nossa equipe de atendimento possa orientar qualquer procedimento que seja necessário, inclusive por telefone (61 3361-1001).

Fachada

Lumi Gerencial equipa novo Vivendas de Taguatinga Norte

A Rede Vivendas mantém a sua estratégia de expansão no Distrito Federal e Entorno. Inaugurou no último dia 25 de setembro mais uma loja, agora na QND 06 (Taguatinga Norte). Agora, o grupo soma 13 supermercados e dois atacarejos, todas as unidades equipadas com o sistema de gestão comercial Lumi Gerencial.

A nova loja tem importância estratégica na expansão dos negócios da rede, pois está localizada no coração da terceira cidade mais populosa do Distrito Federal, com mais de 220 mil habitantes. A operação recém-inaugurada também simboliza a consolidação da presença da marca na região sul do Distrito Federal e Entorno.

O mix de produtos segue a mesma linha dos outros supermercados da rede, com alguns itens aderentes ao público A/B, residente na sua região primária (Taguatinga Norte, Centro e uma parte de Taguatinga Sul). Em meio à inauguração, o jeito peculiar de impactar: muita música e fogos, jingle de boas-vindas, além de estampar uma fachada larga e letras grandes. Tudo isso somado ao argumento “preço baixo de verdade”, uma marca do Vivendas.

As soluções em automação da Lumi Software, voltadas supermercados e atacados – e a fusão deles, os chamados “atacarejos” – têm, a cada momento, contribuído para o aumento do desempenho dos nossos clientes. A rede Vivendas é um exemplo disso. Em um contexto competitivo e de crescimento dos negócios, a Lumi tem o orgulho de ter se aprimorado e olhado com coragem a uma perspectiva apontada pela “estrada” mercado, investindo em tecnologia de vanguarda para automação comercial de operações de autosserviço de alimentos.

Como fazer promoções vencedoras sem mexer um centavo na margem?

Tudo pronto! Prateleiras cheias, estoque controlado, frente de caixa redondo, sistema em pleno funcionamento… Um cenário que transmite a sensação de que tudo esteja no seu devido lugar. Mas, por mais que, aparentemente, “o trem esteja nos trilhos”, fazer o supermercado vender mais é sempre uma necessidade, um desafio contínuo na rotina do varejista.

O consumidor, de maneira geral, está sempre muito atento às promoções. Vender mais passa, necessariamente, pela adoção de uma estratégia promocional consistente, que reduza o preço de um ou outro produto, aproveitando uma boa negociação com fornecedor ou tentando evitar perdas, por exemplo.  É nessa hora em que ocorrem alguns equívocos por parte de varejista, que erra na mão, reduz os preços de produtos sem observar a curva ABC e acaba perdendo eficiência na ação, podendo, inclusive, levar prejuízo.

Nesse contexto, que tal a ideia de você participar de um clube de promoções, diretamente com a indústria, independentemente do porte do seu varejo e receber de volta o desconto aplicado no produto?

Clube de Promoções Scanntech

Parceira de várias indústrias, a Scanntech faz essa ponte. Explico: você participa de um clube de promoções o ano todo, vendendo um ou vários produtos com excelente desconto, sendo ressarcido pela própria fábrica da diferença para a gôndola. Por exemplo: o preço de determinado produto na prateleira é R$ 10,00, a indústria sugere que você venda promocionalmente a R$ 8,00. A diferença de R$ 2,00 é devolvida para o varejista.

Agora, considere que isso está totalmente integrado ao sistema Lumi Gerencial, que altera o preço no sistema temporariamente e retorna à condição original no prazo acertado. Tudo automaticamente! A integração com a Scanntech oportuniza isso, de forma moderna e avançada.

Veja o infográfico abaixo e entenda melhor como funciona o Clube de Scanntech:

Assista aqui o vídeo e conheça mais a solução.

A integração Lumi Software/Scanntech entrega:

  1. Mais Visibilidade: atraia a atenção de potenciais clientes por meio de promoções. Sua empresa pode vender mais itens de promoções e outros produtos relacionados que, em princípio, não constaria na mesma compra.
  2. Mais vendas e gatilhos para redução de estoques: as promoções mais atraentes para os clientes geram o aumento das vendas e funcionam como um gatilho para a redução do excesso de estoque.  Nesse contexto, aumentar os lucros é natural.
  3. Reembolso em sua conta: receba reembolsos dos descontos concedidos. Em muitos casos, a restituição chegará a 100% do desconto concedido de modo que sua empresa não assumirá os custos das promoções.

 

Conheça algumas empresas que já fazem parte do Clube de Promoções Scanntech;

Clientes Lumi Software

  • BigBox;
  • Super Veneza;
  • Campelo.

 

Outras redes de destaque nacional

  • Supermarket;
  • Condor;
  • Sonda Supermercados;
  • Mart Minas;
  • Savegnago;
  • Tenda Atacado;
  • Rede Smart;
  • Roldão;
  • Rede Unno;
  • Rede Economia;
  • Ricoy;
  • Pague Menos;
  • Shibata;
  • Super Nosso;
  • Giassi;
  • Unidasul;
  • Koch;
  • Carvalho;
  • Nordestão.

Para obter mais informações, entre em contato com o Departamento Comercial da Lumi Software no telefone (61) 3361-1001 ou pelo WhatApp (61) 99668-9400.

“Papa-fila”, e-commerce e self checkout: integrações da Lumi Software para quem deseja oferecer conveniência, conforto, rapidez e mais faturamento

A mudança do ritmo de vida do consumidor, muito em decorrência da adoção de um comportamento multitarefa, tem motivado a uma série de adequações, em especial, no setor varejista. Quando falamos de supermercado, por exemplo, conforto e velocidade no atendimento ao cliente são diferenciais importantes, pois tornam a experiência junto ao varejista ágil, conveniente e agradável. Nesse contexto, a Lumi Software – líder de mercado em automação comercial para supermercados e atacarejos do Distrito Federal – desenvolveu integrações do sistema de gestão comercial Lumi Gerencial com os softwares Beepay (compra presencial na loja por meio de aplicativo), Instabuy (e-commerce com grande afinidade a supermercados) e Self Checkout (caixa de supermercado em que o próprio cliente realiza a compra). As três ferramentas têm atraído clientes para redes varejistas do DF, entre elas Big Box e Super Veneza.

Na NRF 2019 Retail’s Big Show, que é a feira mais conhecida do setor do varejo do mundo, realizada em janeiro passado em Nova Iorque, foi apontado quais são quatro os pontos focais para os negócios em 2019: aumentar a receita; melhorar a experiência do cliente no chão de loja; melhorar os produtos, aumentando a produtividade; e reduzir custos. “Vem daí a iniciativa de oferecer aos nossos clientes soluções para atender a essas prioridades, incrementando o resultado operacional”, explica Rodrigo Vidal, diretor Comercial da Lumi Software, empresa que desenvolveu as integrações com Beepay, Instabuy e Self Checkout.

Integração do Lumi Gerencial com Beepay muda o jeito de comprar

Tornar a experiência do consumidor cada vez mais marcante é um desafio para qualquer rede varejista. Considerando que o consumidor moderno busca soluções mais adequadas ao ritmo de vida atual, a Lumi Software, atenta a isso, desenvolveu a integração com a Beepay, uma solução “papa-fila” para o varejo. Por meio de um aplicativo para smartphone, o cliente entra no supermercado, sem o desgaste físico de empurrar o carrinho, paga diretamente no caixa e recebe suas compras em casa. Veja abaixo como já funciona no Big Box (402 Norte):

    

  • Aplicativo

Basta fazer o download do app. No caso do Big Box, o aplicativo se chama “BIG BOX Super Fácil” e está disponível nas lojas Google Play Store e Apple Store.

  • Bipando os produtos

O cliente coloca item por item em um carrinho virtual, sem se preocupar com a quantidade e nem com o limite físico do carrinho de compras.

  • Conferindo a lista e finalizando

Em meio ao processo, o cliente pode conferir os produtos que está comprando, alterar quantidades ou excluir itens, se necessário, antes de finalizar a compra.

  • Fazendo o pagamento

O pagamento do pedido poderá ser feito no próprio supermercado (em caixas exclusivos) ou por meio do próprio aplicativo.

  • Entregando e avaliando

Finalizando a jornada, recebe as compras em casa, de acordo com as regras do seu supermercado, e emite uma avaliação imediata da experiência de compra.

 Benefícios:

  • Redução de exigência de investimentos na infraestrutura de logística interna (carrinhos e cestas) e menos “engarrafamentos”;
  • Redução de filas e exclusão do processo de retirada de produtos dos carrinhos e empacotamento pós-pagamento;
  • Não é necessário validar produtos um a um e se responsabilizar por diferenças financeiras;
  • Redução de perdas nos caixas resultantes de fraudes ou distrações, produzidas pelo cliente ou operador de caixa, acabam;
  • Menos filas, mais pessoas comprando.

 

Tecnologia permite supermercado criar e-commerce e vender mais

Depois de tantas mudanças comportamentais decorrentes do avanço da tecnologia, o consumidor, mais do que nunca, está no comando da perspectiva do varejo em vender mais. A criação de lojas virtuais (e-commerce) continua em expansão e traduz um pouco a forma como o cliente pretende se relacionar com o seu supermercado preferido, por exemplo. Nesse contexto, foi desenvolvida a integração da Lumi Software com a Instabuy, o que oportuniza a criação de e-commerce inteiramente adequado à necessidade e à comodidade do cliente final. Uma solução completa para o varejo eletrônico, atendendo a um anseio do consumidor omnichannel e, no caso da rede Big Box, chama-se “Big Box Delivery” (disponível nas lojas Google Play Store e Apple Store) e aponta ótimas perspectivas de resultados.

Conheça mais a integração:

  • App com a sua marca: com a solução, o e-commerce do seu supermercado pode ter um aplicativo próprio tanto na Apple Store, quanto na Play Store. Ou seja, mais um canal de venda para fidelizar seus clientes;
  • Planos especiais: há uma condição especial para o setor supermercadista, com valores acessíveis e que se encaixam à realidade do estabelecimento.
  • Agendamento de entrega: não há a necessidade de preocupação em ter a melhor operação de logística, basta especificar os horários de entrega para que seus clientes possam escolher quando irão receber os produtos em casa.
  • Design responsivo: a plataforma é orientada para o ambiente “smart”, com layout adaptado para tablets, smartphones e computadores.
  • Integrações com meios de pagamentos: a plataforma já possui praticamente todas a integrações importantes e disponibilidade para desenvolver outras, se necessário.

 

Com self checkout, conforto, privacidade e velocidade na hora de pagar

As estações de pagamento em que o próprio cliente efetua a compra é uma novidade que tem grande aderência em meio ao público em geral, em especial classes “A” e “B”. Outro aspecto que merece ser destacado é que faz do self checkout uma solução bastante oportuna, já que o setor varejista está entrando em uma nova era, muito mais dinâmica e inteligente. A ferramenta é inédita no DF e está entre as novidades do Vitália Empório, supermercado premium da rede Super Veneza no Lago Norte, inaugurado no último dia 28 de fevereiro.

 

Antes de tudo, é importante entender o que é o self checkout. Basicamente, o termo se refere a um serviço de autoatendimento que é disponibilizado aos clientes por meio de caixas automáticos, ou seja, sem a necessidade de um funcionário para passar as compras, devendo o pagamento das compras deve ser realizado somente via cartões (débito ou crédito). Aspecto importante nesse contexto é a quebra de paradigmas: o cliente pode usar sua vivência na utilização de cartões e leitura de código de barras, além de realizar suas compras sozinho.

As estações de pagamento em que o próprio cliente efetua a compra é uma novidade que tem grande aderência em meio ao público em geral, em especial clientes que querem realizar uma compra mais reservada ou que quer ver preservado seu ritmo de tarefas dentro do supermercado. Outro aspecto que merece ser destacado é que faz do self checkout uma solução bastante oportuna, já que o setor varejista está entrando em uma nova era, muito mais dinâmica e inteligente.

Benefícios:

  • Sem longas esperas na fila do caixa, em especial nos dias de maior movimento;
  • Otimização de espaço e agilidade no atendimento;
  • Redução de custos com operadores de caixas;
  • Diminuição de gastos com treinamentos;
  • Simplicidade e facilidade de uso: animações autoexplicativas (para escaneamento, conferência e pagamento de produtos);
  • Experiência satisfatória dos clientes ao efetuarem suas compras;
  • Autoaprendizado;
  • Módulo assistente – interação com o Self Checkout para executar funções gerenciais;
  • Intuitividade.

Conheça estratégias de venda adicional para aplicar no ponto de venda

Está pensando em maneiras de aumentar o seu faturamento? Que tal aproveitar o fluxo de clientes que o seu ponto de venda já tem para vender ainda mais? Aplicando algumas estratégias de venda adicional, você conseguirá aproveitar melhor a presença deles.

Assim que você entender bem como funcionam essas estratégias, perceberá que deixar de aplicá-las pode até ser comparado a perder vendas. Portanto, se está interessado em melhorar o seu faturamento e, ao mesmo tempo, encantar o seu cliente, continue lendo este artigo e entenda o que é venda adicional e como ela funciona. Vamos lá?

O que é venda adicional?

Também conhecida como venda agregada, a venda adicional envolve oferecer produtos relacionados com aquilo que o cliente já tinha a intenção de comprar. Isso funciona porque a maioria das decisões de compra são tomadas por impulso.

Embora as pessoas cheguem ao seu ponto de venda com a intenção de comprar determinados produtos, a decisão de compra ocorre mesmo enquanto o cliente está caminhando pelos corredores do seu estabelecimento. É nesse momento que ele deve ser orientado a adquirir mais alguns itens.

Quais são os benefícios da venda adicional?

A venda adicional é uma forma de demonstrar atenção ao cliente, oferecendo soluções aos problemas dele. Assim, você consegue ser diferente da concorrência, tendo em vista que esse comportamento não é predominante no comércio em geral.

Além disso, atrair novos consumidores demanda um alto custo. Com as estratégias de venda adicional, seu faturamento será incrementado pelo aumento do tíquete médio das pessoas que já são clientes do seu negócio.

Quais são as estratégias de venda adicional?

Diversas estratégias podem ser adotadas em seu estabelecimento para que os clientes se sintam inclinados a adquirir alguns produtos a mais. Veja o que você pode fazer!

Estude as preferências dos clientes

Implantar a venda agregada requer que você conheça bem o seu público-alvo. É necessário analisar dados concretos para descobrir quais são os produtos mais vendidos, além de outras informações.

Assim, você conseguirá identificar e organizar as oportunidades com potencial de venda adicional. Softwares de gestão comercial são uma excelente ferramenta para fazer esse tipo de análise.

Crie pontos de exposição de produtos adicionais

Pontos extras com determinado produto chamam a atenção do cliente. Eles podem ficar em uma ponta de gôndola ou em uma ilha promocional. Geralmente, as ilham ficam nos corredores e geram curiosidade.

Posicione os produtos certos perto do caixa

Depois de o cliente ter colocado tudo o que precisa no carrinho, ainda há uma oportunidade de agregar mais produtos à venda. Para isso, posicione perto do caixa alguns itens que possam ser adquiridos por impulso.

Aproxime gôndolas com produtos relacionados

Organize produtos que combinam entre si para fazer uma sugestão de consumo ou ajudar o cliente a se lembrar do que precisa levar. Por exemplo, você pode posicionar vinhos perto dos queijos, carvão e espetos perto das carnes para churrasco e cereais perto das frutas.

Ofereça degustação de produtos

Um estudo do SPC apontou que degustar um produto dentro da loja é um dos influenciadores de compras por impulso. Por isso, ofereça degustação dos produtos que têm uma melhor margem de lucro.

Conclusão

Como você viu neste artigo, com algumas estratégias simples é possível aproveitar melhor o fluxo de clientes em seu ponto de venda. Com a venda adicional, você demonstrará atenção ao consumidor por oferecer produtos dos quais ele precisa, mas talvez ainda não se dê conta. Além disso, você aumentará o seu tíquete médio e o seu faturamento.

Para entender mais detalhes sobre a venda adicional e a compra por impulso, leia o artigo “Como um layout adequado pode aumentar as vendas“, publicado no site do Sebrae.

Gostou das estratégias que foram apresentadas neste artigo? Conheça então o artigo “Como utilizar o music branding no varejo” e amplie seus conhecimentos. Depois é só compartilhar em suas redes sociais…

Conheça as 3 principais funções de um sistema de supermercado

Um sistema de supermercado pode se integrar a diversos equipamentos periféricos, como balanças e impressoras; pode ser acessado via tablet; consegue se conectar com outros serviços, como o de proteção ao crédito (SERASA) ou de programas de fidelidade e pontuação de compras (DOTZ). Essa tecnologia possui funcionalidades capazes de melhorar a experiência do cliente e atender aos anseios de otimizar seu orçamento e ser atendido de forma ágil, conforme constatou a PwC.

Aliás, o estudo Total Retail 2017 apontou que 55% dos consumidores entrevistados dizem comprar ao menos uma vez por mês em lojas físicas e o mesmo percentual indica que também fazem pedidos online usando um PC. Para os especialistas consultados, se os varejistas investissem em outros formatos de loja, como showrooms, bem como na experiência omnichannel, o percentual de visitas às lojas físicas seria maior.

Quer descobrir como um sistema de supermercado pode apoiar no aumento de visitantes ao seu estabelecimento, na fidelização de clientes e na melhoria da experiência de compra? Então continue lendo e confira quais são as principais funções dessa tecnologia e como ela auxilia essas ações!

1. Gestão de estoque eficiente

Um dos principais atributos que contribuem para a satisfação e boa experiência de compra para 80%  dos consumidores é a capacidade de verificar rapidamente o estoque em outra loja da rede ou online.  Contudo, apenas 57% dos clientes se dizem satisfeitos ao avaliar essa característica das lojas físicas.

Por isso, um bom sistema de supermercado deve possibilitar que a equipe de atendimento consulte o estoque da loja ou da rede e informe para o cliente se determinado produto está disponível.

Além disso, uma boa gestão de estoque reduz a necessidade de empenhar o capital de giro do supermercado na aquisição de produtos com pouca demanda. A ferramenta pode apoiar, por exemplo, para a definição de um estoque máximo, impedindo que uma quantidade superior à delimitada seja comprada antes que os itens sejam efetivamente vendidos.

Ela também apoiaria na definição do estoque mínimo ou ponto de ressuprimento quando a empresa deve enviar uma ordem de compra aos seus fornecedores para evitar o desabastecimento de sua loja.

2. Cadastro descomplicado de clientes

Coletar dados de clientes, atualizá-los ou consultá-los durante a passagem das compras pelo caixa é uma tarefa quase impossível de ser realizada, pois pode gerar filas, demora no atendimento e insatisfações nos consumidores.

No entanto, um bom sistema de supermercado automatiza a coleta de informações básicas, como os dados atrelados ao CPF do consumidor, cria um cadastro para aquela pessoa e possibilita mapear todas as suas interações com a rede de lojas. Isso auxilia criar campanhas personalizadas  para o perfil de cada cliente e, com isso, aumentar o faturamento da loja.

3. Administração de parcerias e fornecedores

Parcerias com fornecedores pode ajudar sua empresa a vender mais sem precisar investir em estoque. É o caso da utilização de estoque consignado, por exemplo. Nesse caso, os itens podem ficar em sua loja ou em poder do fornecedor e você só pagaria quando ocorresse uma venda.

O problema dessa estratégia é que ela obriga a administração de um estoque de terceiro. Ou seja, você precisa saber se os itens ainda estão disponíveis antes de vender maiores quantidades.

Um bom sistema de supermercado permite a integração com outros softwares e facilita a administração de estoques, programas de fidelidade e emissão de cupons promocionais para outras lojas, por exemplo.

Conclusão

O sistema de supermercado deve otimizar a relação do cliente com a loja, reforçar a facilidade de comprar naquela rede e favorecer a fidelização, aumento de vendas e faturamento do estabelecimento, conforme foi apontado pela PwC. Por isso, avalie se a tecnologia usada em seu estabelecimento executa essas funções e verifique se não é tempo de mudar para atender aos anseios de seus clientes.

Se quiser aprofundar seus conhecimentos sobre inovações para o varejo, leia o relatório Total Retail 2017, ele apresenta várias dicas e pontua algumas mudanças no perfil dos compradores que devem ser consideradas.

Agora que você sabe quais são as principais funções de um sistema de supermercado, entre em contato com a Lumi Software e conheça todas as funcionalidades e vantagens em usar nossa tecnologia em seu estabelecimento!

Quais as aplicações do sistema de PDV no controle financeiro?

Um sistema de PDV (ponto de venda) é um software específico para a comercialização dos produtos de sua loja, permitindo um melhor gerenciamento do fluxo de entrada e saída de itens do seu estabelecimento, bem como realiza, de forma automatizada, a emissão de notas fiscais.

Ele permite um melhor controle financeiro, administrar de forma eficiente o estoque da sua loja, o controle de alíquotas fiscais e o cadastro de fornecedores.

Confira as principais funcionalidades de um sistema de PDV e veja os benefícios que pode oferecer para sua organização.

Integração com bancos

O sistema é integrado diretamente com os bancos nos quais há o registro das contas da loja. Assim, toda entrada e saída de dinheiro é registrada via automação, permitindo que você agilize pagamento de contas, reduzindo o tempo gasto com essa tarefa ao longo das rotinas. Além disso, garante uma maior precisão e eficiência nesses processos, já que minimiza as chances de erros.

Controle de estoque

Um sistema de PDV também pode ser utilizado para realizar o controle de estoque, verificando quantos produtos de cada item estão disponíveis no local, reduzindo a necessidade de conferências no local de armazenamento, já que, quando a nova venda é registrada, já é dada a baixa automaticamente.

O sistema pode se reportar o setor de compras para realizar o contato com os fornecedores e adquirir os produtos que estão próximos a terminar. Isso é importante para evitar que falte determinado item em sua loja, principalmente aqueles que tem uma maior saída.

Contabilidade das vendas em tempo real

O sistema registra instantaneamente a movimentação da loja em tempo real, gerando a contabilidade de entrada e saída de produtos. Com isso, você tem, sem necessidade de conferência documento a documento, o registro dos valores de fluxo de caixa automaticamente, diminuindo o tempo de realização dessa tarefa.

Emissão de notas fiscais

Uma das funções fundamentais de um sistema de PDV é a emissão de notas fiscais de forma automatizada, facilitando sua gestão. O próprio software realiza a emissão no sistema próprio da Receita Federal, gerando a NFC-e. É possível até mesmo encaminhá-la imediatamente para o cliente no ato da compra por e-mail.

Fluxo de caixa automático

O sistema registra a compra dos insumos, pagamento de contas, movimentações financeiras e transações bancárias e, a entrada de capital por meio de cada uma das vendas. Com isso, você tem dimensão do seu fluxo de caixa em tempo real, bem como realizar o acompanhamento mensal por meio de relatórios elaborados pelo sistema.

Conclusão

Como você pode perceber, todas as aplicações são bastante úteis e auxiliam em uma melhor gestão do seu ponto de venda, conseguindo alavancar resultados e aumentando os lucros no registro das informações.

Para se aprofundar no assunto e entender mais sobre processos capazes de impulsionar o ponto de venda, leia o livro “Merchandising no Ponto de Venda“, de Regina Blessa. A obra traz um panorama prático que auxiliará no sucesso do negócio.

Confira nosso e-book sobre como funciona a conciliação bancária no segmento de supermercado e tire suas dúvidas sobre o assunto.

NF-e 4.0: o que é e quais suas vantagens para a gestão do varejo?

Já sabemos da importância da nota fiscal como ferramenta de formalização das movimentações comerciais de produtos e serviços, assim como de retenção e cobrança de impostos sobre cada transação. As alterações realizadas pelo Fisco para aprimorar o documento resultaram no modelo NF-e 4.0.

A nota fiscal é o que garante ao consumidor o direito de reclamação contra defeitos de fábrica ou mau funcionamento, culminando em reivindicação de devolução ou troca. Serve também para controle fiscal e contábil, favorecendo a análise da saúde financeira da empresa.

Com o passar do tempo, o documento, antes confeccionado em papel, sofreu alterações, até chegar à versão atual, cujo uso passou a ser obrigatório recentemente. Quer saber mais sobre a implementação da NF-e 4.0 e como ela beneficia a gestão varejista? Então continue a leitura para conferir!

O que é a NF-e 4.0?

A NF-e 4.0 é o modelo atualizado da NF-e que, gerada em XML, é validada juridicamente pela assinatura digital do emissor. Esse é o modelo atual em substituição à NF-e 3.10, que já entrou em desuso. É transmitida pela internet e, além de ter aumentado o poder de fiscalização para evitar a sonegação fiscal e os riscos de erros processuais realizados à mão, promoveu readequação no sistema de gestão.

O novo modelo da nota fiscal eletrônica foi criado em 2017, mas a obrigatoriedade de uso ocorreu somente em 2 de agosto de 2018, quando a Secretaria da Fazenda (Sefaz) passou a recusar definitivamente qualquer outro documento que não apresente o layout NF-e 4.0.

Como ela funciona no varejo?

Nas lojas varejistas, as vendas de mercadorias exigem emissão de documento fiscal que comprove a autenticidade tanto da saída do produto quanto da entrada do dinheiro no caixa, com as devidas retenções fiscais no meio do processo.

Vender qualquer produto sem emissão fiscal acarreta em penalidades do Fisco com apontamento de infração grave por sonegação de impostos e venda ilegal. A NF-e resguarda o varejista e também o consumidor.

Quais são as mudanças previstas com a chegada desse modelo?

As alterações impostas ao layout da NF-e 4.0 são basicamente técnicas, com o objetivo de atender aos critérios de aprimoramento dos sistemas de controle e fiscalização dos tributos recolhidos ao final de um período — garantindo, assim, que o recolhimento integral de imposto seja realizado em tempo hábil.

As mudanças mais expressivas para o varejo na nova versão são aquelas que interferem no preenchimento rotineiro e carecem de atenção dos profissionais envolvidos durante a sua emissão. Conheça os detalhes de cada uma delas e como funcionam dentro do processo de emissão!

Adoção do protocolo TLS 1.2

O novo protocolo substitui o padrão de comunicação SSL, a fim de oferecer maior segurança para as empresas na comunicação de dados. Essa é uma linguagem técnica que os profissionais da tecnologia da informação entendem bem e acompanham de perto.

Fundo de Combate à Pobreza (FCP)

Para a empresa que tenha qualquer vínculo — de aplicação ou venda de produtos — junto ao FCP, as informações foram desassociadas do valor correspondente ao percentual do ICMS — portanto, os cálculos deverão ser realizados separadamente. Será necessário também reconfigurar a natureza das operações para adequar ao novo layout.

Indicador de pagamento

Os dados de pagamentos passam a ser informados no novo modelo NF-e 4.0. A forma de pagamento — cartão de crédito ou débito, dinheiro, cheque — deve constar no campo indicador, compondo o grupo de informações de pagamento. Já os valores correspondentes ao troco são, agora, obrigatórios.

Modalidade de frete

Se a empresa utiliza um meio de transporte próprio, terá que atentar para as novas regras de operação, pois as modalidades de frete — 0 para remetente e 1 para destinatário — sofreram alterações e passam a ser descritas da seguinte forma:

  • 0 — Remetente;
  • 0 — Contratação do frete sob a responsabilidade do remetente (CIF);
  • 3 — Transporte próprio sob a responsabilidade do remetente;
  • 1 — Destinatário;
  • 1 — Contratação do frete sob a responsabilidade do destinatário (FOB);
  • 4 — Transporte próprio sob a responsabilidade do destinatário.

Rastreabilidade do produto

Produtos com lotes controlados e que apresentarem algum tipo de regulação sanitária deverão ser informados para permitir que sejam rastreados em alguma necessidade emergencial. Alguns desses produtos são águas envasadas, embalagens, defensivos agrícolas, itens veterinários, bebidas, odontológicos e medicamentos.

Medicamentos

Para um melhor controle da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), há um campo específico para o código do órgão.

Combustível

Informações sobre a composição do gás de cozinha (GLP — Gás Liquefeito de Petróleo) serão necessárias para acompanhamento e controle da comercialização.

Grupo Total da NF-e

Em caso de mercadoria devolvida pelos estabelecimentos que não contribuem com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), há um campo em que deve ser informado o valor correspondente ao total de impostos.

Indicador de presença

Para casos em que houver a prática de vendas externas, consideradas ambulantes, o preenchimento deverá constar como opção 5, indicado no campo como Operação presencial fora do estabelecimento.

Essas são as principais mudanças que você deve acompanhar e conferir se estão sendo praticadas pela sua empresa para evitar transtornos e surpresas em relação aos procedimentos fiscais.

A utilização da NF-e, independentemente do modelo em vigência e da obrigatoriedade imposta pelo Fisco, traz diversas vantagens significativas. Destacam-se:

  • economia de papel e gastos com impressão;
  • controle e minimização da ocorrência de erros;
  • redução dos riscos de fraude;
  • realocação de mão de obra para outras atividades;
  • armazenamento de documentos reduzido.

Conclusão

Toda boa gestão está intimamente ligada à capacidade de controle das atividades que envolvem as principais áreas da empresa financeira, fiscal, vendas, contabilidade, recursos humanos, compras e tecnologia da informação garantindo que os processos interligados tenham um desempenho transparente e eficiente.

Um sistema de gestão pode auxiliar na parametrização dos principais serviços, centralização e atualização das informações e emissão das NF-e 4.0, minimizando as possibilidades de falhas decorrentes do trabalho manual, que têm grande impacto fiscal quando detectadas fora do prazo.

Para ampliar ainda mais seus conhecimentos sobre o tema, recomendamos o Manual da Nota Fiscal Eletrônica, que traz um histórico sobre o desenvolvimento da tributação, a descrição do projeto-piloto e uma série de anexos com modelos apropriados à operacionalização do sistema, buscando consolidar o que há de mais atualizado e recente no âmbito da emissão fiscal.

Se você se interessou pelo texto, pelas novas mudanças na NF-e 4.0 e pelos impactos que elas podem causar no varejo, aproveite para entender se vale a pena o investimento em automação comercial e tenha sucesso nas suas tomadas de decisão!

Gostou deste post? Aproveite e entre em contato conosco. Nós, da Lumi Software, temos um portfólio de ferramentas bastante variado que certamente suprirá as demandas do seu varejo. Não deixe de conferir!

Quais os principais gargalos de PDV?

Já imaginou atrair um visitante para a sua loja, despertar sua atenção para um produto, favorecer que ele escolha alguns itens e, depois de tudo isso, ver ele abandonar as compras quando já estava disposto a pagar por elas? A desistência quase sempre é o resultado de gargalos de PDV.

Os gargalos de PDV são obstáculos percebidos pelo cliente que impedem uma compra ou a realização de algum processo. Por exemplo, filas e lentidão no pagamento, falta de informações sobre preços de produtos e ações promocionais, ausência de um item na prateleira, entre outros.

Boa parte desses entraves são ocasionados pelo uso de tecnologia pouco adequada ao PDV e às suas necessidades. Outra parte dos gargalos são criados pela falta de apoio à tomada de decisão que sistemas simplórios de frente de caixa acabam ocasionando. A escassez de relatórios é um bom exemplo de como eles interferem nas decisões estratégicas.

Abaixo listamos alguns gargalos de PDV e explicamos alguns meios de evitá-los. Continue lendo e confira!

Demora para efetuar o pagamento

As filas são um dos principais motivos para as pessoas desistirem de uma compra. O tempo gasto entre o fim da escolha do produto e o momento do pagamento é interpretado como um aborrecimento para o consumidor. Essa é uma das razões mais fortes para um percentual das compras do varejo ter migrado para o e-commerce, segundo a pesquisa Webshoppers.

A demora no processamento da compra pode ser causada por três fatores: lentidão do sistema do PDV; demora para a liberação de parcelamento caso o cliente queira usar o crediário e poucos terminais disponíveis para executar a venda.

Todas essas causas estão relacionadas, de alguma forma, ao sistema de gestão do PDV. Mais atendentes podem representar mais máquinas e maiores custos com licenciamento, ou o sistema é incapaz de fazer uma análise rápida contra fraudes, por exemplo.

Portanto, a solução é buscar uma boa tecnologia capaz de integrar, simplificar e agilizar todos os processos relacionados com a finalização de uma compra. Assim, o varejista ganha mais tempo para se dedicar ao cliente e o consumidor fica com uma excelente impressão da loja.

Reposição de produtos ineficaz

Nem sempre o problema de reposição é causado por poucas pessoas destinadas a essa função. Muitas vezes os itens em estoque acabam são armazenados de forma incorreta, dificultando o acesso ou a ciência sobre sua existência; ou o responsável pela reposição acaba priorizando outro produto e se esquece de dar atenção àquele que está faltando.

A tecnologia pode apoiar essa operação. Ela será a responsável por indicar quantas mercadorias ainda estão em estoque, alertar sobre a diminuição de determinado produto e atualizar constantemente, e em tempo real, o volume de itens disponíveis.

Desta forma ela automatiza boa parte dos processos e facilita a tarefa de todos os envolvidos com essa atividade, ao funcionar como uma fonte segura sobre o estoque da empresa.

Informações desatualizadas e descontinuados

Não só as informações sobre os itens em estoque são importantes, aquelas que dizem respeito aos fornecedores e aos clientes também são essenciais para melhorar o fluxo do PDV. Manter todos os dados atualizados é um desafio, caso sejam usados diversos sistemas na operação.

Por exemplo, se um software é usado para gerenciar o estoque, outro para executar as compras e cadastro de fornecedores e outro para registrar as informações dos clientes, provavelmente as integrações entre os sistemas falharão e comprometerão a frente de loja ou causará lentidão nas operações.

Por isso, prefira um sistema integrado que reúna todas as funcionalidades em uma plataforma. Além de simplificar a gestão, ajudará a reduzir problemas com fornecedores de TI e a manter um contato mais próximo com o parceiro que dá suporte da tecnologia.

Equipe pouco preparada para apoiar o cliente

Auxiliar o processo de compra e seleção de produtos é fundamental para alguns segmentos do varejo. No entanto, a equipe pode se sentir insegura para falar de um produto ou ação promocional, caso não esteja treinada e não conte com uma ferramenta de apoio.

O software voltado ao PDV pode ajudar a simplificar o treinamento e acesso a essas informações. Por exemplo, os atendentes podem ser instruídos sobre como usar um tablet ou smartphone para consultar o estoque, informações sobre o produto e regulamento de promoções.

Além dessas ações, capacitar os repositores, promotores e todos os envolvidos com a rotina do negócio também ajuda a reduzir os gargalos, filas e esperas por parte do cliente. Por exemplo, todos devem ser capazes de indicar em qual seção a pessoa pode encontrar determinado item ou saber a dinâmica das promoções para não informar equivocadamente o consumidor.

Certamente, ao adotar boas tecnologias e capacitar sua equipe, a qualidade do atendimento será elevada e a satisfação do cliente com sua marca também!

Relatórios gerenciais defasados

A maior dificuldade dos gestores é tomar decisões embasadas em dados confiáveis e atualizados. Esse obstáculo cria gargalos de PDV ao não oferecer insights e indicadores que diagnostiquem o que está acontecendo no cotidiano da loja. Muitos gestores usam o faturamento para detectar potenciais problemas, mas depois precisam investir horas de suas atividades para encontrar um gargalo em específico.

Uma tecnologia integrada de gestão do PDV oferece métricas confiáveis e sempre atualizadas, diminuindo o tempo entre a detecção, diagnóstico e tomada de decisão para eliminar os gargalos de PDV, por exemplo.

Conclusão

A função de um bom sistema de gestão é apoiar as rotinas, facilitar o acesso às informações estratégicas, gerar insights para reduzir ou eliminar os gargalos de PDV. Sem o apoio de um bom sistema as tarefas de atrair, despertar o interesse, apoiar e vender se tornam bem mais complexas que o necessário, podendo afetar o faturamento e o lucro dos varejistas.

Para se aprofundar mais no assunto, o livro “Gestão do Ponto de Venda“, de Maurício Galhardo e Adir Ribeiro é uma boa leitura complementar. Isso porque a obra discorre sobre a gestão do PDV no viés de Vendas, Pessoal e Finanças e traz a vivência de franqueados de sucesso.

A tecnologia pode eliminar ou criar gargalos de PDV. Contudo, nem mesmo um bom sistema de gestão é capaz de apoiar processos empresariais mal estruturados. Se quiser saber como criar e otimizar os processos em sua loja, confira nosso “Guia prático: otimize processos da sua empresa de varejo” e acabe com os obstáculos para o sucesso do seu negócio.

5 ações para aumentar as vendas de final de ano no supermercado

As vendas de final de ano são potencializadas tradicionalmente pelo 13º Salário e pelo clima de comemoração entre as pessoas e famílias. Em 2018, a previsão da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) é de que haja um crescimento nominal de vendas de 10,27% sobre o mesmo período do ano passado. Já o aumento de faturamento em reais chegará a 1,93%.

Em um ano marcado pela crise dos caminhoneiros, indefinições políticas no primeiro semestre e polarização eleitoral no segundo, a entrada de R$ 211,2 bilhões na economia estimulará os supermercados a aumentarem suas vendas nos últimos dias do calendário.

Mas será que seu estabelecimento está pronto para atrair, convencer e vender para esses clientes? Quer descobrir 5 ações básicas para não perder oportunidades de vendas de final de ano? Então continue lendo e confira!

1. Crie um plano promocional

O plano promocional é um documento que reúne todas as informações sobre as ações que serão realizadas em determinado período. Alguns itens são indispensáveis em sua formulação, como:

  • metas a serem atingidas;
  • produtos a serem ofertados;
  • mecanismos de promoção;
  • parceiros e fornecedores envolvidos;
  • responsáveis e suas atribuições;
  • possíveis pesquisas e dados usados na tomada de decisão.

O plano pode ser usado para convencer fornecedores sobre o potencial sucesso de uma campanha e sobre seu real impacto nas vendas de final de ano. Ele pode determinar, por exemplo, vários níveis percentuais de redução de preços praticados pelo parceiro, caso o supermercado comercialize determinadas quantidades de um produto.

2. Avalie os produtos a serem ofertados

Alguns produtos como pernil, panetone, peru, frutas e vinhos importados funcionam como verdadeiros ímãs de compradores. Outros, como taças, assadeiras, brinquedos e bebidas nacionais, são ótimos complementos a qualquer compra. Por fim, existem aqueles itens que costumam “encalhar”, ficando parados no estoque.

As vendas de final de ano são bons momentos para analisar os diversos perfis de produtos e montar uma estratégia de oferta casada, em que a pessoa compra uma quantidade de um item e recebe desconto ou ganha outro.

Por isso, avalie quais produtos possuem familiaridade ou seriam interessantes para os clientes de sua loja. Dessa forma, você evita que haja encalhe ao final do ano e o consumidor reaja ao estímulo da oportunidade, mesmo que incida e aumento dos gastos.

3. Conte com um bom sistema de gestão

Um bom sistema de gestão deve acompanhar a rotina do supermercado durante todo o ano. No entanto, no momento do planejamento, análise de vendas, acompanhamento de ações e do nível de estoque, esse software torna-se ainda mais relevante.

Logo, avalie se seu sistema está preparado para dar as informações dos passos anteriores e, caso não esteja, procure uma solução tecnológica para apoiar todos os processos de seu supermercado.

4. Elabore as ações promocionais

As ações promocionais começam com o enfeite da loja com itens decorativos de final de ano e vão até as promoções propriamente ditas. Listamos algumas ideias de ações, mas elas devem ser adaptadas para a realidade de seu supermercado:

Cupom de desconto

Reduzir o preço de produtos é a ação promocional mais básica que existe. A ideia aqui é oferecer cupons de desconto caso a pessoa realize uma ação desejada pela loja. Por exemplo, se ela compartilhar um item usando suas redes sociais, se ela comprar um produto com pouca saída, ou, ainda, se comprar em grande quantidade.

Seu estabelecimento também pode trocar itens, ao invés de dar descontos. Isso é comum nas campanhas de refrigerantes. As pessoas trocam as tampinhas e acrescentam um valor a mais para conseguir um item colecionável. No caso do seu supermercado, ela pode atingir determinado valor de compra para ganhar itens relacionados às festas de final de ano, por exemplo.

Voucher de experiência

Essa ideia é como a do cupom. Contudo, em vez de itens colecionáveis ou redução de preços, o seu supermercado fará parcerias com o comércio local e oferecerá a possibilidade da pessoa consumir algum produto ou serviço da região. Por exemplo, em compras acima de R$ 200,00, a pessoa ganharia uma sessão de massagem ou esmaltaria as mãos.

Alguns parceiros ofertarão os serviços e experiências sem cobrar, outros exigirão uma compensação financeira. Faça os cálculos e avalie qual o valor mínimo das compras seria necessário para o seu supermercado não ficar com prejuízo, estimulando, como benefício, uma experiência com valor superestimado, e que dê uma percepção negativa.

Gincana no interior da loja

As manhãs do Natal e Ano Novo costumam ser bem sossegadas na maioria dos supermercados. Para reverter essa situação, ofereça uma gincana que envolva crianças e seus pais. Uma caça ao tesouro, com brindes interessantes, será o suficiente para provocar uma movimentação na loja.

Para receber os ingressos da gincana, exija determinado valor de compras ou estimule a aquisição de alguns produtos em específico. Por exemplo, apenas os produtos com o selo “Caça ao tesouro” fazem parte da promoção e a pessoa precisa comprar determinada quantidade para receber o ingresso.

5. Utilize a internet para divulgar

Atualmente, os brasileiros passam, em média, 9 horas por dia navegando na internet, segundo pesquisa da ESET. As redes sociais ficam com 3,5 horas desse tempo e foram capazes de redefinir o debate eleitoral, conforme aponta o relatório 2018 Global Digital. Ou seja, se você quer atrair mais pessoas e vender mais, então está na hora de utilizar a internet para disseminar as promoções e informações sobre sua loja.

Sua equipe poderia usar o Facebook, por exemplo, para oferecer cupons de descontos especiais para quem curta uma postagem ou envie mensagens via WhatsApp, indicando uma página de inscrição para um sorteio com bons brindes e prêmios.

O efeito viral das redes sociais ajudará seu supermercado a divulgar sua marca a um baixo custo e criará uma maneira de se relacionar com os clientes, não só para fomentar as vendas de final de ano, mas as promoções do ano todo!

Conclusão

As vendas de final de ano são a última oportunidade para os supermercados aumentarem suas receitas, baterem ou se aproximarem da meta de faturamento de 2018 e reduzir o estoque de produtos para iniciar o próximo ano. Ainda assim, apenas 18% dos empresários acreditam que haverá um aumento de vendas comparado a 2017, segundo a Abras.

Por isso, aproveite a falta de otimismo dos concorrentes, adote as ações aqui mencionadas e se prepare para cativar os clientes e aumentar suas vendas de final de ano!

Sugerimos a leitura do livro “Marketing de guerrilha para leigos” de Patrick Garrigan e Jonathan Margolis, e obtenha ainda mais inspiração para as ações promocionais e para superar seus concorrentes durante as vendas de final de ano e após elas.

Você acredita que essas 5 ações serão capazes de aumentas suas vendas de final de ano? Então compartilhe este texto em suas redes sociais e marque seus colaboradores para que eles também se motivem e pensem em como colocar em prática essas dicas!