Transferência eletrônica de fundos: como funciona e quais os benefícios?

As preferências do consumidor mudam com uma velocidade surpreendente e, para atender às demandas que emergem no dia a dia, as empresas precisam encontrar novas formas de se adequar. No caso do varejo, um novo comportamento ligado à forma de pagamento despertou a necessidade de aliar tecnologia e consumo: surgiu, então, a transferência eletrônica de fundos.

Neste post, você vai entender um pouco mais sobre o TEF e conhecer as vantagens de adotar o sistema. Além disso, também saberá de que forma é possível implementá-lo no seu negócio — sem complicação e dor de cabeça. Preparado? Vamos lá!

O que é o sistema de Transferência Eletrônica de Fundos?

Transferência Eletrônica de Fundos, como o próprio nome sugere, é um sistema que possibilita a movimentação financeira virtual entre instituições. Trata-se de uma tecnologia de comunicação que liga empresas que atendem ao cliente final às administradoras de cartão, facilitando as transações monetárias ainda no Frente de Loja.

O TEF, portanto, funciona com o propósito-chave de transferir fundos, inicialmente armazenados em uma conta bancária, de forma eletrônica, ágil e segura, gerando mais comodidade e eficácia na troca comercial de valores.

A partir de uma pinpad — as conhecidas máquinas de cartão —, existe a captação das transações, que são então transmitidas para a rede adquirente via internet.

Quem é quem na transação?

Fornecedora de Software

É a empresa responsável por desenvolver o software que vai integrar o fluxo de dados entre o pinpad (leitor de cartões), as redes adquirentes e o sistema de gestão de PDV (Ponto de Venda) utilizado em sua empresa, além de garantir que as informações geradas em cada transação alimentem corretamente o CRM.

Redes adquirentes

As redes adquirentes são aquelas responsáveis por automatizar a liquidação financeira das transações com cartões de crédito ou débito.

São elas que fazem a comunicação entre as Bandeiras, responsáveis pela administração dos cartões (Visa® e Mastercard®, por exemplo), e os bancos emissores para verificar saldos e segurança no momento de aprovar as transações.

Você pode contar com mais de uma rede adquirente no seu estabelecimento e, assim, fazer a gestão de suas cobranças realizando as transações com a que estiver oferecendo as melhores taxas no momento.

Quais as opções de TEF disponíveis?

TEF discado

Geralmente utilizados por estabelecimentos de pequeno e médio porte, precisam estar conectados a uma linha telefônica comum. Para cada transação é realizada uma comunicação com os sistemas das administradoras e, após a aprovação, a conexão é desfeita.

TEF dedicado ou TEF IP

Diferentemente da modalidade discada, aqui temos uma conexão com as administradoras que permanece ativa 24 horas por dia. Para isso, é preciso ter um contrato de linha telefônica exclusiva para o TEF, que exige ainda um roteador e um modem externo para funcionar.

TEF em nuvem

Nessa modalidade, a provedora do serviço de computação em nuvem conecta o estabelecimento às bandeiras que farão a autenticação das transações. Assim a exigência de investimento em infraestrutura é menor, por exigir menos gastos com servidores de autenticação e circuitos de comunicação.

POS (Point of Sale)

São as populares “maquininhas de cartão”. Apresentam um custo mais acessível que o da transferência eletrônica de fundos, porém não operam sob todas as bandeiras, aceitando apenas os cartões operados por sua fornecedora. Não dependem de nenhuma outra estrutura para funcionar e podem ser operadas, inclusive, por rede de celular.

Como escolher a melhor opção para seu negócio?

A primeira escolha a ser feita é entre um sistema TEF (discado, dedicado ou por IP) e um sistema POS. O POS possui preços mais atrativos, é o mais simples de ser utilizado e é móvel. Porém ele não é integrado ao sistema de automação comercial da empresa.

O sistema TEF exige um investimento inicial mais elevado, porém pode ser mais econômico para os estabelecimentos que utilizam várias redes adquirentes.

Como é integrado com o sistema de automação comercial, apresenta maior facilidade para a gestão financeira e uma série de outros benefícios, como os detalhados abaixo.

Quais são os benefícios de oferecer a opção de TEF no seu negócio?

Segundo uma projeção da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito), as compras com cartão de crédito devem movimentar, até o fim de 2017, cerca de R$ 1,22 trilhão.

Ignorar um mercado tão expressivo e promissor seria uma grande loucura empresarial, principalmente para aqueles que trabalham com varejo, inclusive podendo comprometer seriamente a perenidade do negócio.

Nesse cenário, contar com a transferência eletrônica de fundos já desponta como essencial; afinal, corresponder às expectativas do consumidor e estar preparado para atendê-lo em suas necessidades é determinante para fidelizá-lo.

Como é possível implantar a transferência eletrônica de fundos?

Para viabilizar a implantação do sistema TEF — e também para estar de acordo com as exigências fiscais e tributárias —, o estabelecimento precisa basicamente de quatro itens: software para o Frente de Loja, sistema de emissão de cupom fiscal, TEF e pinpad.

O procedimento é simples, rápido e seguro, podendo ser utilizado, inclusive, por empresas que não contam com um caixa totalmente automatizado. O segredo para evitar transtornos durante a adoção do sistema de transferência eletrônica de fundos é escolher o fornecedor adequado, construindo uma relação mútua de confiança.

Quais regras devo seguir?

Desde 2008, o TEF é mandatório a todos os empreendimentos que vendem direto para o consumidor final cujo faturamento anual esteja acima de R$ 120.000, acompanhado da obrigação de emissão cupom fiscal de venda.

Alguns segmentos, como supermercados, lojas de departamento, vestuários e magazines também são obrigados a adotar a modalidade. As Secretarias de Fazenda estaduais estão aptas para realizar a fiscalização dos equipamentos, sendo que cada um apresenta suas portarias específicas.

Conclusão

Vale sempre lembrar que é proibido fazer uso de recursos ou ferramentas que alterem as informações registradas no cupom fiscal ou possuir circuitos eletrônicos que controlem separadamente o aparelho impressor.

Se o seu negócio precisa crescer e você está em busca das melhores soluções em tecnologia, já sabe que encontrou o lugar certo. Se ainda tem alguma dúvida sobre transferência eletrônica de fundos, deixe seu comentário no post para continuarmos a conversa!

Adicione um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked*