4 tendências e aplicações da tecnologia no varejo

O tradicional processo de compra em supermercados era representado por três atitudes básicas: estímulo, prateleira e experiência, conforme o estudo ZMOT, apresentado pelo Google. Algumas vezes a experiência se tornava um estímulo, como na oferta de degustação ou amostra grátis de algum produto. Contudo, esse processo foi sepultado com as mudanças proporcionadas pelo uso de tecnologia no varejo e na vida das pessoas, em geral.

Até abril deste ano, havia 306 milhões de smartphones ativos no Brasil. O número é superior à quantidade de habitantes do nosso país, segundo o jornal “O Estado de S. Paulo“. Como isso está relacionado ao varejo? Se considerarmos que 79% dos consumidores usam um smartphone para apoiar suas compras ou que 70% das pessoas afirmam ler ou assistir vídeos sobre produtos antes de escolher algum, conforme estudo do Google, então está clara a conexão.

Neste artigo, você conhecerá 4 tendências e entenderá como a tecnologia no varejo será fundamental para manter sua marca significativa e em crescimento. Também verá que o papel da TI será de protagonismo nesse novo cenário. Confira!

1. Experiência do consumidor

A experiência do consumidor é definida com a percepção sobre todos os itens que afetam a memória, sentimentos e raciocínio durante uma compra. Tudo o que interfere e serve de motivação ou desestímulo na interação com o PDV pode ser traduzido por esse conceito.

Por isso, a principal tendência dos próximos anos é investir em inovações para melhorar a experiência do cliente. Segundo a consultoria Gartner, 50% das empresas direcionarão seus esforços para aperfeiçoar esse quesito. A Dimension Data, por sua vez, apurou que 84% das empresas que otimizam a experiência do cliente aumentam suas receitas.

2. Chatbots

Chatbots são robôs que simulam um diálogo humano usando um sistema conversacional. Eles podem sugerir produtos em promoção, explicar características de um item, indicar a classificação dada por outros comprados e, com isso, ajudar as pessoas a tomarem as melhores decisões de compras.

Eles são uma tendência, pois 47% das pessoas usariam um chatbot para obter uma resposta instantânea das empresas e 20% das organizações já consideram substituir seus aplicativos por essa tecnologia. No entanto, sem uma integração com o sistema de gestão do PDV essa tecnologia falhará por não ser omnichannel, como veremos a seguir.

3. Omnichannel

Poder interagir, encomendar, comprar e resolver qualquer problema usando um ou todos os canais onde a empresa está presente é o desejo de 90% dos consumidores. Contudo, 87% das pessoas  acreditam que as marcas deveriam se esforçar mais para oferecer uma experiência perfeita. Ou seja, os clientes ainda sentem que faltam investimentos nesta área.

A estratégia omnichannel é uma tendência de uso da tecnologia no varejo irreversível. Por isso, a utilização de sistemas integrados será indispensável para registrar, consultar e agilizar qualquer interação das pessoas com a marca, seja em lojas físicas ou nos meios digitais.

4. Internet of Things (IoT)

A tradicional forma de melhorar a experiência do consumidor no PDV está usando pesquisas de satisfação. Com a IoT — Internet das Coisas, em português —, esse cenário mudará. Os sensores coletarão informações sobre como, quando e com que frequência os consumidores visitam um PDV e como utilizam aquilo que compraram. Por isso, essa tecnologia é considerada como uma fonte de revolução do varejo, segundo a Forbes.

Conclusão

A adoção das tendências de tecnologia do varejo determinará o sucesso ou o fracasso dos supermercados e varejistas no futuro próximo. Para isso elas precisarão ser integradas a bons sistemas de gestão e garantir uma melhor experiência de compra. Por isso, procure parceiros de TI capazes de apoiar suas estratégias e oferecer os melhores softwares de gestão.

Se você quiser aprofundar o tema sobre as mudanças no comportamento do consumidor que ditam as novas tendências da tecnologia no varejo, então leia o e-book publicado pelo Google “ZMOT: conquistando o momento zero da verdade”.

Quer adotar as principais tendências de tecnologia no varejo de forma integrada, testada e segura? Então entre em contato com os especialistas da Lumi Software e confira como nosso sistema de gestão do PDV está conectado às mudanças em TI, ao comportamento do consumidor e à administração do supermercado. Basta acessar nossa página Fale Conosco!

O valor da informação para o varejista

Você consegue imaginar o mundo atual desconectado e sem comunicação? Todos os dias, nos deparamos com algo novo sobre os mais variados assuntos em redes sociais, blogs e sites, o que nos faz compreender o alto valor da informação.

Diariamente, o volume de informações produzidas por esses canais virtuais alimenta os diversos segmentos sobre o comportamento do consumidor e suas preferências por produtos ou serviços. Isso é importante para um varejista se manter no mercado e alcançar cada vez mais seu público-alvo e satisfazê-lo.

Foi pensando nisso que preparamos este post, para que você, varejista, tenha real ciência do quanto a informação pode ser uma aliada estratégica na alavancagem do negócio e subsidiar a tomada de decisão sobre os projetos futuros! Boa leitura!

Como agregar o valor da informação ao setor de varejo?

As inovações tecnológicas causaram uma revolução mundial ameaçando os varejistas e todas as empresas sem apelo virtual ou que ainda caminham a passos lentos na adequação a um novo meio de abordar o consumidor.

Embora pareça existir uma oposição entre o comércio varejista de loja física e o de loja virtual, o que se apura sobre o perfil do consumidor — faixa etária, sexo, alvo de consumo, percepções quantitativas e qualitativas — provém dos dados de um sistema de informação centralizado.

Existem softwares específicos para colher dados e transformá-los em informações, gerando relatórios reais e confiáveis para o negócio.

Apesar de a tecnologia permitir aos sistemas de apuração uma boa autonomia de gestão, é fundamental planejar as ações de modo a direcionar a informação e canalizar para o negócio da empresa as verdadeiras oportunidades de conversão em vendas, sem esquecer os pontos de melhoria.

O valor da informação interliga a filosofia da empresa, a missão e os valores, permitindo um filtro natural para o entendimento tanto das variáveis econômicas e mercadológicas como também do comportamento do consumidor.

Ao utilizar a tecnologia e toda a novidade que ela tem a oferecer ao varejo, você terá propriedade para promover o levantamento de dados, apuração, compilação e geração de relatório gerencial, construindo uma base informacional capaz de determinar os rumos do seu negócio de forma transparente e assertiva.

Os consumidores enxergam mais valor e se identificam mais com empresas que conhecem seu comportamento e suas necessidades. A partir dessa visão holística dos hábitos de consumo, é possível encontrar oportunidades de inovação nos produtos ou processos, desencadeando tendências de oferta.

Antecipar-se ao cliente é uma forma de encantá-lo e demonstrar real interesse pelas dores que o acometem na tentativa de sanar suas necessidades oferecendo um conjunto de possibilidades que direcionem para a composição do catálogo de produtos e para o que ele realmente deseja adquirir.

Como fazer uma boa gestão de varejo com base no valor da informação?

Já sabemos que há um movimento comportamental do consumidor indo na contramão das lojas físicas, então o que fazer para não perder vendas e continuar no radar do consumo? É fundamental fazer essa análise e se munir de informações, antes de tomar qualquer decisão.

Com a economia ainda oscilante e a baixa no volume de compras, a movimentação do consumidor no mercado pode dar uma ideia de quais estratégias de vendas utilizar para que o varejo tenha uma performance positiva e rentável ao final de um período. Para isso, o fundamental é medir.

Defina por etapas quais são seus objetivos ao se valer da informação como parte do seu processo de fidelização e retenção de clientes. Então, utilize de forma prática todo o conteúdo gerado em relatórios, como pano de fundo para ações de diferencial competitivo.

A melhoria da gestão dos processos internos é um dos pontos prioritários, pois, ao entender as deficiências do seu negócio, você poderá promover mudanças e oferecer ao consumidor uma experiência mais linear, sem ruídos e com foco exclusivo em suas necessidades.

Confira algumas áreas em que o valor da informação poderá ser visto de forma complementar e agregada!

Logística e estoque

Se você souber antecipadamente sobre o poder de giro de um produto, certamente fará um melhor controle e gestão do estoque. Isso pode influenciar no processo logístico dentro da loja ou no transporte de mercadorias. Desse modo, as compras para reposição poderão ser melhor programadas.

Ponto de venda (PDV)

A identidade visual é muito importante para ajudar o consumidor a se situar quando entrar na sua loja. Independentemente da sazonalidade ou da concorrência, se você souber quais são os produtos de grande procura ou com volume de vendas elevado, conseguirá estabelecer um PDV adequado.

Experiência do consumidor

O consumidor da atualidade é exigente e volúvel, mas também inteligente quando o assunto é comprar por um preço justo e qualidade elevada. Além do interesse pelo produto em si, procure o que atrai a atenção e a fidelidade do cliente — agilidade no atendimento, informativos promocionais, descontos por pontuação, entre outros.

Uma pesquisa de satisfação, um canal de atendimento SAC ou o cadastramento do cupom fiscal para participar de promoções talvez sejam boas estratégias geradoras de informações, uma vez que o cliente precisa preencher alguns dados pessoais para avançar dentro do site.

Segurança de dados

A informação funciona hoje de forma instantânea e intuitiva, quase que como uma moeda de troca, e precisa ser tratada com muita responsabilidade por quem se apropria dela para impulsionar o negócio. Muitas pessoas ainda veem com desconfiança a necessidade de informar seus dados pessoais em sites de compras.

O seu posicionamento claro sobre as intenções de uso dessas informações e também suas ações mercadológicas de total disponibilidade para atender aos anseios dos consumidores serão fundamentais para gerar segurança e credibilidade.

Conclusão

Não se pode negar a influência predominante da tecnologia em todos os aspectos da vida humana. Por isso, não é recomendável remar contra uma maré que não favorece. Busque alternativas e ferramentas adequadas para inserir o seu negócio nesse contexto, sem perder a essência do trabalho desenvolvido até então.

Uma referência complementar do assunto é o livro Administração de Varejo, de Fauze Mattar. A obra é um manual que orienta o varejista a uma gestão de sucesso para tomada de decisões fundamentadas, o que reflete inclusive na satisfação do cliente.

No varejo, não se pode abandonar velhos hábitos de sucesso, porém é possível se reinventar a todo momento, abrindo oportunidade para a inovação, valendo-se dela não como escudo, mas como aliada em uma corrida contra um concorrente invisível — mas a cada dia mais previsível.

Agora que você entende melhor sobre o valor da informação no universo varejista, que tal entrar em contato conosco para agendar uma consulta sem compromisso? Ficaremos muito contentes em apresentar as soluções para o seu negócio!