O que é conciliação bancária e qual a importância para varejistas?

Todo gestor de empresa sabe a importância de acompanhar as finanças da companhia para manter um futuro promissor nos negócios. As atividades estão fluindo, as vendas atingindo as metas, porém se não houver uma conciliação bancária, os lançamentos bancários são deixados de lado e o resultado é a falta de controle interno.

Se você deseja entender melhor o que é a conciliação bancária e como ela pode ajudar na saúde da sua organização, não deixe de ler este post.

O que é conciliação bancária

A conciliação bancária é uma ferramenta indispensável, que tem por objetivo conferir todas as movimentações de entrada e saída da empresa com os valores indicados no extrato bancário, garantindo a eficácia dos registros internos comparados àqueles emitidos pelo banco e verificando se existem inconsistências de dados.

As empresas apostam na conciliação bancária para garantir uma contabilidade livre de erros e atrasos, assim como assegurar a redução de custos e despesas com inadimplência.

Existem duas formas de se realizar a conciliação bancária: a manual e a automática. A conciliação manual demanda mais esforço, atenção e tempo, além do risco de existir erros não percebidos.

Já a conciliação bancária automática é feita por meio de softwares específicos que demandam pouco tempo e esforço com ótimo custo benefício.

Vantagens da conciliação bancária

Controle do fluxo de caixa

Com a conciliação bancária é possível ter um controle total sobre os lançamentos, mesmo que as transações ainda não tenham sido enviadas para a conta da empresa.

Por exemplo, não se pode considerar apenas as operações rastreadas pelo internet banking, pois há tipos de transações que podem não ser rastreadas, como os boletos a pagar. Desta maneira, ocorrerá uma divergência no valor final.

Controle sobre cheques emitidos

As divergências podem ocorrer também por cheques emitidos e não compensados, que devem sempre ser considerados no controle. Tais cheques podem ser compensados no mês e trazer diferenças no fluxo de caixa.

Auxílio no controle de depósitos não identificados

Os depósitos não identificados necessitam de uma atenção especial, pois estes valores não entram na conciliação.

O correto é ter um controle especial para separar os depósitos não identificados e obter o mais rápido possível a sua identificação, de modo a não gerar uma bitributação.

Redução de encargos

O registro dos juros e das taxas é essencial para a lucratividade da empresa. Impostos como o IOF, taxas de transações e as aplicações financeiras automáticas podem não ser cobrados de maneira correta.

Os bancos podem debitar taxas indevidas que só serão percebidas na conciliação bancária. Com a análise é possível verificar o erro e solicitar o estorno do banco.

Detecção de erros e fraudes

A conciliação bancária pode estabelecer uma rotina que combata tanto erros como fraudes em seu negócio. A detecção auxilia, por exemplo, a conferir se um pagamento de um fornecedor foi lançado conforme o pedido de compra.

Proporciona tomadas de decisões mais efetivas

O controle financeiro sobre as contas a pagar reflete a real situação da empresa, o que auxilia a tomada de decisões para investimentos, campanhas de marketing, compra e expansão do negócio de forma mais planejada.

Agora que você já percebeu a real importância da conciliação bancária para sua empresa, que tal falar com quem pode te ajudar a facilitar este processo? Basta entrar em contato conosco, teremos o maior prazer em te atender!

Horário de Funcionamento durante feriado de Finados!

 

Prezados clientes e parceiros, em decorrência do Dia de Finados, informamos que:

SUPORTE TÉCNICO

Quinta-Feira – 02/11/2017 – Dia de Finados – Não haverá expediente, atendimento através do nosso Portal de atendimento WEB – abertura de chamado.

ÁREA COMERCIAL

Quinta-Feira – 02/11/2017 – Dia de Finados  –   Não haverá expediente;

ÁREA FINANCEIRO

Quinta-Feira – 02/11/2017 – Dia de Finados  – Não haverá expediente;

Sexta-Feira – 03/11/2017 – Expediente em todas as áreas volta as suas atividades normais a partir de 08:15h.

Você sabe como definir o seu mix de produtos? Descubra aqui

Ter um bom mix de produtos na loja é essencial para se manter forte e disputar a lealdade dos clientes. No entanto, trata-se de uma estratégia que precisa ser bem planejada. Caso contrário, pode trazer dores de cabeça e prejuízos.

Para ajudar você nessa tarefa, preparamos um post com algumas dicas simples, porém eficientes, de como definir um bom mix de produtos na sua loja. Pronto para começar? Então, acompanhe!

O que é mix de produtos?

O mix de produtos representa o número total de linhas de mercadorias que a sua empresa oferece aos clientes. Ou seja, engloba toda a variedade de produtos disponíveis para venda na loja.

Por exemplo: os supermercados e hipermercados costumam ter o maior mix de produtos entre todos os tipos de lojas no mercado. Além da variedade de tipos, eles podem se diferenciar também por distribuidor. Dessa forma, a sua loja pode ter, em uma mesma linha, vários produtos com marcas e valores diferentes para aumentar as opções disponíveis.

Por que o mix de produtos é importante no varejo?

Quando você possui um bom mix de produtos, aumenta consideravelmente as chances de vendas. O cliente gosta de comparar preços e marcas e, quando o mix é grande e bem variado, ele compara os preços dentro da própria loja, comprando lá mesmo tudo o que precisa.

Caso contrário, ele pode até levar alguma coisa, mas só o que considerar realmente uma oportunidade. Depois, ele segue com suas buscas e pesquisas entre lojas concorrentes.

Como definir o mix de produtos na minha loja?

Analise as necessidades dos clientes da loja

Não adianta ter um grande mix de produtos disponível na loja se não for o que o cliente realmente precisa ou deseja. Isso só traria prejuízos com mercadorias encalhadas, forçando uma liquidação para limpar o estoque.

O ideal é que, antes de investir no mix, identifique o que é mais procurado pelos clientes na sua região. Você pode conseguir essa informação por meio de pesquisa direta aos clientes ou por meio de visitas aos concorrentes. Os produtos que mais tiverem em comum representam um padrão de procura local.

Avalie a relação custo-benefício do mix

É comum que a sua loja tenha algumas linhas de produtos com melhor margem de lucro, mas que vendem menos. O inverso também acontece. Alguns produtos vendem mais, mas possuem uma margem de lucro apertada.

Nesse caso, o ideal é que você avalie de forma segmentada o mix existente, comparando o volume médio de vendas mensal com o retorno que ele proporciona. Nessa avaliação, você pode descobrir quais produtos vendem menos e geram custos, bem como os que vendem mais e compensam as perdas.

Se for o caso, foque nas vendas dos produtos com maior saída, mesmo que eles sejam menos lucrativos, e reduza o estoque dos que saem menos. O que importa é girar mercadoria rapidamente e gerar um volume maior de receitas.

Prenda os consumidores

Lembra quando falamos sobre ter também mais marcas disponíveis do mesmo produto? Então, isso será crucial para manter o cliente na sua loja e fazer com que ele saia de lá levando tudo o que precisa.

Nessa estratégia, você pode trabalhar com duas, três ou mais marcas para um produto específico. O segredo é oferecer uma ou mais que seja bem popular (com preços bem em conta) e outras consideradas premium (com preços e qualidades superiores).

Agora você pode equilibrar a margem de lucro entre as marcas e ter uma boa rentabilidade nas vendas, mesmo que saia apenas o mais barato. Além disso, o cliente não precisará ir a outra loja para comprar o produto, pois terá a conveniência de fazer a pesquisa e decidir ali mesmo qual vai levar.

Mais uma coisa. Fazer todo esse trabalho manualmente pode exigir tempo, um grande esforço e deixar a sua estratégia de mix de produtos sujeita a erros. Para ter melhores resultados, prefira contar com um software de gestão específico para o varejo. Assim, tarefas como a classificação de produtos, compensação de perdas, históricos de vendas e outras podem ganhar agilidade e precisão.

Se você gostou desse tema e deseja ficar por dentro de outros assuntos tão importantes quanto a esse, curta a nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no YouTube!

Self Checkout: conheça essa tendência de mercado

Você deseja desenvolver o seu negócio e sabe que, para isso, precisa melhorar o atendimento ao cliente. Porém, sua dúvida é não saber exatamente por onde começar. Já pensou em disponibilizar o serviço de self checkout?

Embora esse conceito já esteja sendo utilizado há muito tempo nos mercados americanos e europeus, no Brasil o serviço ainda é uma novidade, o que o torna um diferencial em termos competitivos.

Por essa razão, é interessante que você, como gestor, comece a avaliar os benefícios que essa solução pode trazer não apenas para sua empresa, mas também para a rotina dos seus consumidores.

Foi pensando em lhe ajudar que elaboramos este artigo. A seguir, vamos apresentar de forma clara e objetiva tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Continue a leitura e confira!

O que é self checkout

Antes de mais nada, é importante compreender o que é o self checkout. Basicamente, o termo se refere a um serviço de autoatendimento que é disponibilizado aos clientes por meio de caixas automáticos, ou seja, sem a necessidade de um funcionário para passar as compras.

Benefícios do self checkout

Em relação aos benefícios do sistema, os pontos principais a destacar são a praticidade para os clientes e a economia para os lojistas.

Sem longas esperas na fila do caixa

Para começar, é preciso que você entenda que, ao instalar os self checkouts em seu estabelecimento, você estará oferecendo uma opção para o cliente fugir das filas — especialmente nos dias de maior movimento.

Sabe aquele cliente que não costuma fazer grandes compras, mas sim as famosas “compras de sacolinha”? Então, para ele essa solução certamente será de grande utilidade. Além disso, os apressados de plantão que passam apenas para comprar meia dúzia de produtos também serão beneficiados pelos terminais de autoatendimento.

Em outras palavras, o self checkout é mais direcionado às pequenas compras e, por isso, o recomendado é que você limite a quantidade de produtos aceitos — a maioria dos supermercados permitem no máximo até dez itens.

Economia na mão de obra e agilidade no atendimento

Já no que diz respeito à economia, a conta é simples: no espaço necessário para um caixa tradicional, é possível colocar até três de autoatendimento, sem contar com a vantagem de que não será preciso ter um funcionário para realizar as operações.

Contudo, é necessário que você tenha um responsável para orientar os clientes sobre a utilização dos self checkouts. Nesse caso, apenas um colaborador é suficiente para atender a demanda de, no mínimo, quatro caixas automáticos.

O propósito principal da adoção dessa tecnologia é agilizar o atendimento e reduzir os custos relativos à mão de obra. Além disso, outro aspecto que merece ser destacado, e que faz do self checkout uma questão a ser analisada, é que o setor varejista está entrando em uma nova era, muito mais dinâmica e inteligente.

Para concluir, não poderíamos deixar de mencionar que o pagamento das compras deve ser realizado somente via cartões de crédito, pelo menos no Brasil. Porém, a opção para pagar em dinheiro provavelmente estará sendo oferecida em breve, já que nos Estados Unidos e nos países da Europa isso já é possível.

Esperamos que este artigo possa ter lhe ajudado a entender melhor o conceito do self checkout e as vantagens de aplicá-lo em seu negócio. Se você gostou desse tema e deseja ficar por dentro de outros assuntos tão importantes quanto a esse, curta a nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no YouTube!

Calendário Clube Promoções Lumi – Mês de Outubro

Venha participar das promoções regulares, organizadas e financiadas pelas principais industrias do Brasil, desenhadas especialmente para clientes participantes do Clube de Promoções Lumi Software!

Não perca tempo, entre agora em contato com um de nossos consultores, clique aqui. Caso já faça parte desse clube, aproveite as promoções incríveis para o mês de Outubro!

 

 

Comunicado sobre horário de verão!

É de extrema importância que o seu sistema operacional Windows esteja atualizado com o novo horário de verão para operar normalmente com NFC-e.

Em diversos estados brasileiros (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Distrito Federal), o horário será adiantado em 1 hora no próximo Domingo (15/10/2017), para que fiquem sincronizados com o horário oficial do Brasil.

IMPORTANTE: É necessário que seu estabelecimento garanta que seu SERVIDOR GUARDA, GERENCIAL e PDVs, estejam corretamente marcado a opção de atualização de horário de verão (“Ajustar automaticamente para horário de verão”).

Os computadores com Windows geralmente são atualizados automaticamente, como afirma a própria Microsoft, porém somente as máquinas com a atualização em dia terão a mudança garantida pela Microsoft.

Gôndola virtual: prepara-se para o futuro do varejo

Por muitos anos, os filmes de ficção científica ajudaram a idealizar conceitos tecnológicos que pareciam inalcançáveis na mente das pessoas, como carros voadores, robôs com inteligência artificial ou compras e transações financeiras virtualizadas.

Pois bem, ainda não temos carros voadores, a inteligência artificial está a cada dia mais avançada, mas ainda não podemos interagir com robôs humanoides como nos filmes. Entretanto, a virtualização já é uma realidade muito presente em nosso cotidiano.

Recentemente, uma tecnologia inovadora, capaz de nos remeter à sensação de estarmos no futuro, foi implementada em algumas estações do metrô da cidade de São Paulo.

A promessa é de que ela revolucionará o varejo e tudo o que conhecemos sobre consumo. Estamos nos referindo à gôndola virtual. Continue a leitura do conteúdo para entender mais sobre o assunto!

O que é gôndola virtual?

Basicamente, é um recurso que permite que compras sejam realizadas virtualmente, por meio de um aplicativo para dispositivos móveis.

Funciona da seguinte forma: assim como em um mercado, produtos são expostos em um painel digital com diversos módulos, contendo imagens dos itens, ou seja, uma como uma gôndola virtual.

Então o usuário utiliza seu smartphone ou tablet com o aplicativo instalado, escolhe os produtos que deseja comprar, registra-os pelo escaneamento do QR Code e finaliza sua compra. Depois, os produtos são entregues em casa.

A gôndola virtual já está funcionando no Brasil?

Como citamos no início do artigo, existem duas estações do metrô de São Paulo que já oferecem o serviço de gôndola virtual, permitindo que as pessoas realizem suas compras sem que precisem se locomover até a cidade para os mercados.

Entretanto, a iniciativa partiu da rede Pão de Açúcar. Em meados de 2012, a tecnologia foi instalada no Shopping Cidade Jardim, em São Paulo. Na época, haviam cerca de 300 opções de produtos que os consumidores podiam escolher.

O frete para a entrega dos produtos na residência dos clientes era grátis na primeira compra, e a partir da segunda os valores seriam regressivos, começando em R$ 13,90.

Quais benefícios uma gôndola virtual pode proporcionar ao varejo?

Coloque-se no lugar do consumidor e imagine as vantagens que uma gôndola virtual pode oferecer:

  • comodidade – elimina a necessidade de precisar se locomover fisicamente aos estabelecimentos comerciais quando você quiser realizar compras;
  • praticidade – basta apontar a câmera do dispositivo móvel para o QR Code dos produtos que deseja comprar;
  • eficiência e segurança – as formas de pagamento e o endereço do cliente são previamente cadastrados no aplicativo, para que ele só precise dar alguns toques em seu smartphone na hora de fazer as compras. Todos os procedimentos de pagamento e entrega são realizados automaticamente.

De fato, a gôndola virtual é apenas uma pequena parte de uma grande revolução que está para acontecer na forma como a sociedade moderna consome produtos e serviços.

Como empreendedor, a gôndola virtual pode tornar a sua empresa mais competitiva e alinhada às novas tendências de consumo, além de reduzir custos do negócio com estrutura física, funcionários e outras despesas administrativas comuns.

Gostou do nosso conteúdo sobre o que é uma gôndola virtual e como ela pode beneficiar os lojistas? Então compartilhe-o com seus amigos e parentes no Facebook!

Horários de Funcionamento durante feriado de Nossa Senhora Aparecida!

Prezados clientes e parceiros, em decorrência do feriado de Nossa Senhora Aparecida, a seguir informamos:

 

SUPORTE TÉCNICO

Quinta-Feira – 12/10/2017 – Dia de Nossa Senhora Aparecida – Não haverá expediente, atendimento através do nosso Portal de atendimento WEB – abertura de chamado.

ÁREA COMERCIAL

Quinta-Feira – 12/10/2017 – Dia de Nossa Senhora Aparecida  –   Não haverá expediente;

ÁREA FINANCEIRO

Quinta-Feira – 12/10/2017 – Dia de Nossa Senhora Aparecida  – Não haverá expediente;

 

Sexta-Feira – 13/10/2017 – Expediente em todas as áreas volta as suas atividades normais a partir de 08:15h.

Como as mudanças nas regras do crédito rotativo afetam o varejista?

Com o intuito de reduzir o índice de endividamento do brasileiro e proteger o crédito, o BC (Banco Central) divulgou mudanças nas regras do crédito rotativo. Essa pode ser uma das medidas adotadas pelo governo para driblar a crise econômica, já que ela contribui diretamente para manter o consumo em alta.

As mudanças já estão valendo desde abril desse ano e prometem gerar benefícios para quem comete deslizes no orçamento de vez em quando.

Quer entender melhor as mudanças? Então, veja a partir de agora o que muda nas regras do crédito rotativo:

Como era antes?

Antes, quando a pessoa ou empresa não conseguia pagar o valor total da fatura do cartão de crédito na data do vencimento, podia pagar o valor mínimo (15% do valor total da fatura) ou outro valor entre o mínimo e o total. O restante era rolado somando-se ao valor total da fatura do mês seguinte.

Bastava realizar o pagamento nessas condições que entrava automaticamente no crédito rotativo do cartão de crédito. O problema é que os juros — mora e tributos cobrados — eram tão altos que, muitas vezes, a dívida virava uma bola de neve e logo se perdia o controle, não conseguindo mais pagar nem mesmo o valor mínimo.

Como é agora?

Com a nova regra, a dívida não acumula mais. O valor mínimo da fatura contínua existindo, mas agora só poder ser utilizado uma vez (um mês). Na próxima fatura, caso a valor integral não seja pago, em vez de rolar a dívida, a pessoa ou empresa entra automaticamente em uma linha de crédito separada para financiar o valor que ficou para trás.

A principal vantagem dessa mudança é que a linha de crédito oferece um parcelamento da dívida com juros bem mais baixos, dando a chance de quitá-las mais rapidamente e de forma mais barata. Além disso, caso surja a oportunidade, pode-se quitar a dívida integralmente, com melhores descontos.

Como as mudanças do crédito rotativo devem afetar o varejista?

Para os varejistas, essas mudanças trazem uma série de benefícios. As principais são:

As dívidas não virarão uma bola de neve

Sem o acúmulo de dívidas, com taxas de juros tão altas, os varejistas ganham a oportunidade de pagarem as parcelas mensais com menos esforços, reduzindo o grau de endividamento da empresa.

O acesso ao crédito melhorará

Dependendo da operadora do cartão, quando o varejista entrar em uma linha de crédito para o financiamento da fatura, o limite do cartão pode não sofrer alterações, permitindo que as compras a prazo continuem sendo realizadas normalmente.

Você pagará menos juros

O financiamento da fatura por meio de uma linha de crédito mais barata ajuda a reduzir os custos da empresa com relação às dívidas pendentes e outras que poderão surgir quando o orçamento estourar.

É bom lembrar que o varejista deve ser esforçar para não precisar usar o crédito rotativo, mesmo que por um mês, pois as taxas de juros cobradas são as mais altas do mercado nessa modalidade. O ideal é que, ao perceber que não conseguirá pagar o valor total da fatura, pegue um empréstimo bancário para quitá-la. Acredite, vai sair bem mais em conta.

Por fim, para manter a saúde financeira da empresa sempre em dia, recomendamos a utilização de um software de gestão. Assim, você terá maior controle sobre as contas, evitando o crédito rotativo, criando estratégias de redução de custos e potencializando os lucros.

Para saber mais sobre a Lumi Software e o que fazemos, entre em contato com um de nossos consultores clicando aqui.